FACES DE JOAQUIM

São Joaquim é o nome do maior mercado a céu aberto da cidade de Salvador, onde nasci e moro. Foi um dos primeiros lugares em que pratiquei a fotografia, ainda como estudante de Artes. Neto de feirante, lembrava pouco das vielas onde meu avô tinha um bar. Lá, ele vendia bebida e comida, principalmente os quitutes regionais, como dobradinha, rabada e sarapatel. Eu festejava quando, numa reunião de família em sua casa, na Cidade Baixa, onde ainda habita, ele preparava um desses pratos.

Mais tarde, meu falecido tio também abriu um bar na feira, próximo ao de meu avô. Seguiu os passos do pai. Numa visita, um senhor que há muito tempo tem uma banca de jogo do bicho lembrou de meu tio-avô. Contou-me que ele também trabalhou na feira por um período com jogo do bicho. Eu não sabia e corri para confirmar a informação com meus avós.

Dada essa relação, não tinha como fotografar a feira se não fosse pelo viés das pessoas. Neste projeto, ela é mostrada pela face de seus trabalhadores, de quem luta diariamente para mantê-la viva. Nos olhos dessas pessoas repousa toda a história da mais tradicional feira livre de Salvador.

Na crença judaico-cristã, São Joaquim é o pai da Virgem Maria e avô de Jesus Cristo.